Tuesday, 29 November 2016

já ninguém ganha neste jogo do galo



Agora entra aqui aqui dialética do "tenho um culpado neste conflito a que sou um mero espectador e não tem o mínimo de influência na minha vida e na vida dos que me são próximos e mais queridos":
- "Epá já viste cabrões daqueles judeus que rebentam com edifícios cheios de criancinhas lá dentro?".
- "E depois? Porque é esses selvagens do Hamas deixam lá as crianças, fazendo-as de alvos fáceis para virem reclamar o seu martírio?"
- "Ora essa, até parece que é o Hamas que as manda pelos ares aos bocadinhos! É Israel que manda as bombas!".
- "Ok ok tudo bem, mas sendo que as criancinhas são inocentes nisto tudo, porque é que o Hamas não as retira para um local onde possam ficar seguras?".
- "Porque elas têm o direito de estar ali, porque haviam de ir para outro sítio?".
E pronto, já ninguém ganha neste jogo do galo. Portanto fiquem a discutir qual dos dois inimigos que se detestam e se querem matar uns aos outros e ainda pedem que nós andemos a perder tempo com eles, e não me chateiem.


Eles (os judeus) chegaram a invadir terras e a assassinar os palestinianos. Quem será pior, nazis ou judeus?


Um professor de Geografia do Rio de Janeiro levou o seu apoio à causa palestiniana ao ponto de isto lhe custar o emprego
O professor foi alvo de queixa de alguns dos pais dos alunos de uma turma do 8º ano, por ter colocado num teste aquela questão que vemos acima: quem são piores, os nazis ou os judeus? 
A pergunta era colocada nestes termos: 
"Conforme é sabido, os judeus foram perseguidos por Hitler durante o nazismo. 
Actualmente, um determinado povo é tido como vítima dos israelitas, tendo que viver controlado por Israel. Eles chegaram a invadir terras e a assassinar. Quem será pior, nazis ou judeus?
Quanto ao professor, além de ser despedido ainda teve que apresentar um pedido de desculpas. O que vai fazer agora para poder comer e pagar as contas é que não faço ideia, e possivelmente todos os colégios no Rio de Janeiro já têm conhecimento da identidade do autor da "gracinha".




Enquanto levavaam a vitela para o matadouro...

 

Ajude aqueles que têm dificuldade em escrever e ler

Campanha Solidária Para o Combate à Literacia (CSPL) em Macau


Recebemos da CSPL - Campanha Solidária para o Combate à Literacia - 
um pedido de divulgação da seguinte nota:

Vamos colaborar todos para um futuro melho, mais culto e mais educado. Vamos dar as mãos no combate à Literacia e ajudar aqueles que ainda têm dificuldades no manuseamento dos instrumentos básicos da língua, a Ortografia e a Gramática. Vamos ajudar especialmente aqueles que já são adultos, os que mais sofrem, quase  sempre em silêncio, porque se envergonham das suas limitações. 

Veja-se o caso, que se tornou público recentemente, de Leocardo Emmacau, residente no território, um homem de 42 anos que ignorava como conjugar o Futuro do Indicativo Presente do verbo "Ter", com o pronome oblíquo átono "o", escevendo "terei-o  encontrado" em lugar de "tê-lo-ei encontrado". Pode ajudar de uma forma muito simples: vá ao site de um dicionário como o Priberam, por exemplo, e seleccione a conjugação do verbo "Ter". 

Depois, escolha um  dos tempos verbais, à sorte (por exemplo, o "Imperativo Afirmativo" ou o "Pretérito Imperfeito do Conjuntivo"). Faça um "Screen Save" de um desses tempos, conjugados em todos os pronomes pessoais e envie para: 

Email: leocardoemmacau@yahoo.com
Facebook: Leocardo Emmacau (www.facebook.com/leocardo.emmacau)
Bairro do Oriente: bairrodooriente.blogspot.com
Curtas & Grossas: curtasgrossas.blogspot.com



GUIA PARA ENCONTRO DAS COMUNIDADE MACAENSES



Dona


Este é um dos meus vídeos preferidos dos Ena Pá 2000, "Dona", de 2005, do disco "És muita linda". "Dona" é obviamente uma canção dedicada à cona, mas um título "honesto" significaria a censura das rádios e das televisões, mas quem ouve e presta atenção apercebe-se que este é um hino à vagina. 

Instrumento de prazer, buraquinho mole, escuro, húmido e discreto, o triângulo amoroso por excelência, é a origem da vida, à entrada e à saída, e enfim, não passa um dia em que um homem normal não pense nela. E apesar de estar sempre tão perto, está às vezes tão longe do nosso alcance. 

Brindemos à cona, e indiferentes ao expediente que os Ena Pá usaram para divulgar a mensagem, cantemos alto e bom som: "Cona, tu és a nossa mãe/Cona, és de onde a vida vem".

Dona


Este é um dos meus vídeos preferidos dos Ena Pá 2000, "Dona", de 2005, do disco "És muita linda". "Dona" é obviamente uma canção dedicada à cona, mas um título "honesto" significaria a censura das rádios e das televisões, mas quem ouve e presta atenção apercebe-se que este é um hino à vagina. Instrumento de prazer, buraquinho mole, escuro, húmido e discreto, o triângulo amoroso por excelência, é a origem da vida, à entrada e à saída, e enfim, não passa um dia em que um homem normal não pense nela. E apesar de estar sempre tão perto, está às vezes tão longe do nosso alcance. Brindemos à cona, e indiferentes ao expediente que os Ena Pá usaram para divulgar a mensagem, cantemos alto e bom som: "Cona, tu és a nossa mãe/Cona, és de onde a vida vem".