Saturday, 26 November 2016

Luís Crespo, a.k.a. "Leocardo" e Paulo Reis em rota de colisão



"Resposta a PR", na sequência deste texto: "O que é que o "Leocardo", 




"(..) permita-me que lhe deixe isto bem claro: não me mete medo. Isso, não me assusta, seu homenzinho ridículo, e já que faz questão em não distinguir o que é pessoal do restante, fique a saber também o seguinte: não sei que café é esse que frequenta (Você vive em Macau há 23 anos e não conhece a Caravela????? Nesse caso, veja o mapa do Google, onde ecnontra o endereço e as fotos, mais abaixo, no ponto 1), só sei que não frequento nenhum, e apesar de 'viver não muito longe de mim', terei-o ("tê-lo-ei" é a forma correcta de conjugar o verbo "Ter", no Futuro do Indicativo") visto duas ou três vezes na minha vida, se tanto, mas pode ter a certeza que da próxima vez que se cruzar com o Luís Crespo, este vai inquiri-lo sobre aquilo que o aflige."

"(...) se acha que daqui resulta matéria de facto para procedimento criminal, vá em frente, insisto (2). O mais provável é que prossiga na sua senda de ataques baixos e reles, próprios do seu carácter nada recomendável - aquilo que você entende por "fazer justiça" (3) é o que a justiça A SÉRIO chama de "prova" (4). 


---------------------------------

(1) - Endereço do Café/Restaurante Caravela (na foto, em baixo), no Pátio Comandante Mata e Oliveira, junto à Escola Portuguesa de Macau (RPC)


(2) - Não vale a pena insistir, porque é totalmente inútil. O procedimento criminal, nos termos das leis constitutivas de qualquer sociedade organizada em Estado de Direito, só é passível de ser aplicado quando está em causa a dirimição de conflitos entre pessoas.

(3) Fazer Justiça, no caso de alguém como você, que insultou dezenas de pessoas (incluindo-me a mim), ao longo de anos e anos, primeiro num blogue anónimo, e depois noutro blogue, já identificado) cingir-se-ia apenas a abrir-lhe os cornos com um taco de basebol.

(4) - Remeto-o para o ponto anterior: Justiça (aquilo que se pede e se obtém, na maioria das vezes, através dos Tribunais) apenas é aplicável a conflitos entre pessoas. No caso em epígrafe que você cita, da minha parte apenas posso garantir a aplicação de medidas profilácticas de combate a uma das zoonoses mais perigosas existentes (em termos práticos, implica fazer-seisto isto)